Programa

O conteúdo e cronograma do curso será distribuído em módulos com os seguintes tópicos:

Princípios Farmacológicos e Farmacocinética

Aula 1 - Liberação e Absorção e Distribuição

O objetivo é familiarizar a assistência com as aplicações clínicas mais comuns desses

recursos,. A terceira fase da farmacodinâmica compreende fatores de extrema relevância para a psicofarmacologia, como a afinidade por água corporal, pela gordura e pelas proteínas plasmáticas. Inclui, também, umas das mais importantes áreas de pesquisa para a compreensão dos efeitos dos psicofármacos existentes e para o desenvolvimento de novos fármacos, que é a identificação e compreensão da ação dos componentes da barreira hematoencefálica, último estágio antes da chegada aos alvos farmacológicos encefálicos.

Aula 2 - Metabolismo e Excreção

A quarta e a quinta fase da farmacocinética serão analisadas conjuntamente, por sua natureza complementar. O metabolismo dos fármacos tem sido cada vez mais compreendido nas últimas décadas, a partir da percepção de sua relevância para a eficácia, a segurança e a tolerabilidade dos psicofármacos.

Aula 3 - Farmacodinâmica Básica

A compreensão da farmacodinâmica está diretamente relacionada ao conhecimento de alguns fundamentos imprescindíveis ao entendimento dos efeitos biológicos dos fármacos, e inferir suas consequências comportamentais. Este subtema irá abordar os tópicos enumerados sobre anatomia, fisiologia e neurotransmissão até o nível dos fatores de transcrição, uma vez que a apresentação seguinte começará exatamente pela regulação da expressão genética.

Aula 4 - Psicofarmacologia Básica

A psicofarmacologia é uma ciência nascida de observações empíricas e que, ao longo do tempo e numa espécie de fenotipagem reversa, permitiu várias inferências úteis para a compreensão das doenças mentais, com a elaboração de várias hipóteses baseadas na observação da influência de seus efeitos farmacológicos sobre o comportamento. Com sua natural evolução, os fármacos passaram a ser elaborados a partir de teorias farmacológicas e testados em estudos clínicos com parâmetros rígidos de observação. Portanto, o conhecimento dessas teorias e metodologias é extremamente importante para o psicofarmacologista. Esta seção é finalizada com uma revisão das propostas de alteração da nomenclatura dos psicofármacos com migração da classificação por indicação terapêutica rumo a uma nomenclatura baseada nos mecanismos de ação, no momento ainda sinápticos, mas futuramente mais sofisticados.

Aula 5 - Psicofármacos na prática clínica I

Conforme observado na apresentação anterior, a nomenclatura dos psicofármacos permanece baseada em suas indicações terapêuticas iniciais, embora haja cada vez mais uma considerável variedade de indicações de fármacos específicos em diversas enfermidades distintas. A explicação para este fato é exatamente a superposição de

sintomas e critérios diagnósticos entre entidades nosológicas distintas, por um lado, e a influências compartilhada de sistemas de neurotransmissão em dimensões distintas do  comportamento. O objetivo desta seção é fazer uma rápida revisão da classificação e das indicações clínicas dos psicofármacos sob a ótica do mecanismo de ação.

Aula 6 - Psicofármacos na prática clínica II

Aula 7 - Psicofármacos na prática clínica III

 Aula 8 - Sistema endocanabinoide, canabinoides endógenos, fitocanabinoides e canabinoides sintéticos

O sistema endocanabinoide, sua influência sobre o comportamento e sua modulação por canabinoides exógenos de origem natural, denominados fitocanabinoides, ou por canabinoides sintéticos tem sido um tópico muito discutido na farmacologia em geral, especialmente na psicofarmacologia. O objetivo desta aula é apresentar o sistema encocanabinoide, suas principais funções, componentes e interações com outros sistemas de neurotransmissão em situações fisiológicas e patológicas, além de discutir as evidências pré-clínicas e clínicas relativas ao potencial de desenvolvimento de terapias psicofarmacológicas a partir da compreensão desse sistema.