Programa

Módulo 1: O que é "ser jovem" no mundo contemporâneo?

Objetivo

Tratar da construção do conceito de juventude ao longo do século XX e início do XXI, e de sua influência nas formas pelas quais a mídia, a publicidade e o mercado enxergam os jovens contemporâneos. Aprofundar a ideia de que a juventude, na forma como hoje a conhecemos, é um conceito social e midiaticamente construído. Apontar caminhos, teóricos e práticos, sobre como empresas, dos mais diferentes setores produtivos, podem se aproximar dos jovens através de soluções de comunicação.

Aula 1: As transformações sociais que provocaram mudanças nas formas pelas quais a sociedade, a mídia e o mercado passaram a enxergar os jovens. Vamos falar, em especial, do ciclo que se inicia após a II Guerra Mundial e ainda tem impacto nos dias atuais.  

Aula 2: A juventude como conceito que se estende para além de uma faixa etária específica: todos, hoje, podem e querem "ser jovens?" Vamos refletir sobre os impactos desta realidade para a mídia e para o mercado. Como as empresas podem fazer uso deste conceito estendido de juventude e aplicá-lo em seus próprios negócios?

Aula 3: Apresentação de estudo de caso: "Rock in Rio: comunicação, música, juventude e trocas geracionais". Esta aula vai se basear em um estudo de dois anos realizado sobre o festival no Brasil, que partiu de duas questões: a) O que explica o fato do Rock in Rio ter se tornado um dos festivais de maior longevidade no mundo? b) E como o festival foi - e continua sendo - capaz de motivar diferentes gerações de jovens ao longo de mais de 30 anos (1985-2021)?

OBS: Não haverá uma demanda específica de leitura prévia para as aulas. Mas serão sugeridos livros e artigos (português e inglês) como complemento aos temas discutidos.

Módulo 2: Representações sociais dos jovens das favelas cariocas

Objetivo

Refletir sobre a visão da favela como o lugar do “outro” e analisar as representações midiáticas dos jovens das favelas cariocas, trazendo o projeto Favelagrafia como uma nova possibilidade de representação desses jovens. Segundo dados do IBGE (2010), o Rio de Janeiro é a cidade brasileira com o maior percentual de sua população vivendo em favelas: 22,03%, o que corresponde a 1.393.314 pessoas. Diante de um universo tão extenso, podemos dizer que existe “o” jovem da favela, no singular?

Aula 1: Formação histórica das favelas cariocas: a favela como o lugar do “outro”. Partiremos de um breve percurso histórico sobre a formação das favelas cariocas a partir do processo de estratificação social urbana do Rio de Janeiro, o que levou à construção da ideia de favela como o lugar do "outro". Seguiremos pela análise da visão de “cidade”, “favela” e “juventude” através do olhar das “camadas médias urbanas”, segundo conceito do antropólogo Gilberto Velho.

Aula 2: Representações midiáticas dos jovens moradores das favelas e o projeto Favelagrafia  como uma nova possibilidade de representação. Neste segundo encontro, refletiremos sobre as usuais representações midiáticas dos jovens das favelas cariocas, considerando os conceitos de representação e construção social de Stuart Hall como base teórica para aprofundar a discussão. Ainda na mesma aula, introduziremos uma nova possibilidade de representação destes jovens através do projeto Favelagrafia (www.favelagrafia.com.br), no qual nove fotógrafos, moradores de nove diferentes favelas da Cidade, registram o dia a dia, a história, as paisagens e as diversas identidades locais dos jovens de seus territórios.

Aula 3: As experiências e vivências juvenis na favela, a partir do olhar dos seus próprios moradores. Na terceira e última aula deste módulo, analisaremos as diferenças e similaridades das experiências e vivências juvenis nas favelas a partir do olhar dos seus próprios moradores. Para tanto, analisaremos um conjunto de imagens do projeto Favelagrafia, além de entrevistas em profundidade realizadas com os fotógrafos desta iniciativa.

Módulo 3:  Estudos Culturais, Juventudes e as Mídias 

Objetivo

Refletir sobre o processo de mediação cultural que se dá entre veículos de comunicação comunitária e as mídias tradicionais, por meio de juventudes de origem popular. Discutir o fortalecimento dos veículos que fazem parte do que entendemos por “comunicação comunitária” num contraponto analítico às mídias tradicionais (comunicação de massas). Repensar as práticas de representação, recepção e consumo cultural que dizem respeito a esses jovens, deslocando-os do papel de receptor-consumidor passivo para o de mediador/ativo.  Serão contemplados textos dos Estudos Culturais, fazendo uma correlação com as mídias contemporâneas, notícias, publicidade, projetos socioculturais, cases e entrevistas de jovens cariocas. Os estudantes e profissionais que participarem como alunos do curso, sairão com um repertório ampliado de pensamentos e estratégias para a construção de processos centrados no protagonismo juvenil.

Aula 1: Estudos culturais, identidade e espaço público: um panorama das juventudes das cidades. Na primeira aula, vamos trazer uma panorama teórico dos Estudos Culturais tradicionais e contemporâneos, fazendo correlações com as juventudes e as práticas de representação nas mídias e suas influências na construção das identidades juvenis.

Aula 2: Representações midiáticas, consumo e juventudes.

Na segunda aula, vamos analisar representações da mídia e da publicidade, presentes também em projetos socioculturais e cases que centram “a juventude” como uma identidade, especialmente aquela presente nas subculturas juvenis. Quais são os caminhos para pensarmos novas ou outras práticas de representações dos jovens nas mídias contemporâneas? Refletiremos sobre o mercado publicitário, a mídia e a inserção do jovem.  Os alunos serão provocados a pensar uma proposta ou solução para possíveis  representações da identidade juvenil.

Aula 3: Encontro com as juventudes

A terceira aula se dedica a dar voz às juventudes, trazendo um convidado que atua em territórios populares na resistência às práticas de representações hegemônicas das subculturas juvenis, como culturas endógenas, forjando outras práticas de representação e novas interlocuções entre os diferentes meios inseridos na cultura das mídias. Será realizada uma entrevista em profundidade com a participação dos alunos. O que os jovens estão vendo, ouvindo e sentindo em relação à mídia, à cultura, e onde se encontram nos plataformas e conteúdos contemporâneos?

Aula 4: Apresentação

Na última aula do módulo, os alunos apresentarão as suas proposições (Aula 2) de práticas inovadoras de representações da identidade juvenil, à luz das perspectivas dos Estudos Culturais. Análise em grupo e avaliação aberta do curso.

Módulo 4: Juventude brasileira e internet: linguagens, aspirações e perfis

Objetivo

Navegar entre as possibilidades de pesquisa e identificação dos comportamentos de jovens brasileiros que usam a internet, a fim de localizar perfis de grupos, comunidades, produtores de conteúdo, influenciadores e ativismos que dialogam com a juventude no Brasil.

Partindo de metodologias de pesquisa e de métodos digitais de coleta, organização, interpretação e análise de traços de comportamentos na internet, nosso objetivo é demonstrar como construir um mapa de tendências, arranjos, sociabilidades e discursos desses jovens, de forma a possibilitar que diversas organizações, de diferentes meios e finalidades, sejam capazes de promover relacionamentos com eles através do diálogo. Os alunos entrarão em contato com as técnicas mais recentes para observar e produzir conhecimento sobre grupos e os espaços que ocupam na internet, compreendendo os contextos de apropriação das tecnologias digitais na realidade contemporânea

Aula 1: Juventude brasileira e internet: linguagens, aspirações e perfis.

Na primeira aula do módulo vamos mapear os territórios e comunidades na internet ocupados pela juventude, navegando entre os espaços onde consomem e compartilham música, cultura pop, conteúdos de mídias sociais e temas relacionados à educação e trabalho. Vamos investigar como organizam e mobilizam pautas relevantes para os grupos onde estão inseridos, como movimentam o consumo de marcas, produtos e serviços e como potencializam tecnologias a favor de suas aspirações para deixar marcas na sociedade.

Aula 2: Metodologia de pesquisa e métodos digitais para encontrar, ouvir e coletar dados e informações na internet.

Nessa aula vamos nos aproximar das metodologias de pesquisa e das técnicas que nos oferecem para encontrar, reconhecer e descrever as linguagens da juventude em suas interações na internet, identificando traços de comportamentos, tendências, atitudes, interesses, aspirações e inspirações. Diante dos resultados dessa primeira etapa, discutiremos oportunidades e caminhos para organizações, marcas e instituições que desejam se aproximar, dialogar e trocar ideias com a juventude conectada.