Programa

Histórico e núcleo central da psicologia positiva

- Delimitação da psicologia positiva

- Felicidade e bem-estar subjetivo: compreensão e articulação da visão geral dos conceitos-chaves

Temas da Psicologia Positiva 

- Autoestima

- Esperança

- Otimismo

- Gratidão

- Humor

- Amor

Aplicabilidade 

- Descobertas recentes sobre estudos positivos da Psicologia, relacionados a bem estar subjetivo, autoestima, amor, otimismo, esperança, gratidão, humor

- Relações entre construtos positivos e saúde

- A Psicologia positiva em contextos variados
 
Procedimentos didáticos

- Atividades presenciais expositivas e dialogadas.

BIBLIOGRAFIA

Araújo, L. F. de. (2013). A psicologia positiva como fomentadora do bem-estar e da felicidade. Psicologia Em Estudo, 18(4), 753–755. 

Costa, L. S. M. da, & Pereira, C. A. A. (2007). Bem-estar subjetivo: Aspectos conceituais. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 59(1), 72–80.

Daniel Kahneman; Edward Diener; Norbert Schwarz. (2003). Well-Being: Foundations of Hedonic Psychology. New York: Russell Sage Foundation Publications.

Diener, E., Lucas, R. E., & Oishi, S. (2005). Subjective well-being. The science of happiness and life-satisfaction. In C. R. Snyder & S. J. Lopez (Eds.), Handbook of Positive Psychology (pp. 63–73). New York: Oxford University Press.

Diener, E., Oishi, S., & Tay, L. (2018). Advances in subjective well-being research. Nature Human Behaviour. 

Giacomoni, C. H. (2004). Bem-estar subjetivo: Em busca da qualidade de vida. Temas em Psicologia (SBP), 12(1), 43–50.

Nunes, C. H. S., Hutz, C. S., & Giacomoni, C. H. (2009). Associação entre bem-estar subjetivo e personalidade no modelo dos cinco grandes fatores. Avaliação Psicológica, 8(1), 99–108.

Pacico, J. C., & Bastianello, M. R. (2014). As origens da psicologia positiva e os primeiros estudos brasileiros. In C. S. Hutz (Ed.). Avaliação em Psicologia Positiva (pp. 13-21). Porto Alegre: Artmed.

Passareli, P. M., & Silva, J. A. (2007). Psicologia positiva e o estudo do bem-estar subjetivo. Estudos de Psicologia (Campinas), 24(4), 513–517.

Peters, M. L., Flink, I. K., Boersma, K., & Linton, S. J. (2010). Manipulating optimism: Can imagining a best possible self be used to increase positive future expectancies? Journal of Positive Psychology, 5(3), 204–211.

Reppold, C. T., Gurgel, L. G., & Schiavon, C. C. (2015). Pesquisas em psicologia positiva: Uma revisão sistemática da literatura. Psico-USF, 20(2), 275-285.

Rudd, M., Vohs, K. D., & Aaker, J. (2012). Awe expands People’s Perception of Time, Alters Decision Making, and Enhances Well-Being. Psychological Science, 23(10), 1130–1136.

Seligman, M. E. P., & Csikszentmihalyi, C. (2000). Positive psychology: An introduction. American Psychologist, 55(1), 5-14.

Lopez, S. J., & Snyder, C. R. (2011). The Oxford Handbook of Positive Psychology.  New York: Oxford University Press, 2011 Snyder, C., & Lopez, S. Psicologia positiva: Uma abordagem científica e prática das qualidades humanas. Porto Alegre: ArtMed, 2009.

Woyciekoski, C., Stenert, F., & Hutz, C. S. (2012). Determinantes do bem-estar subjetivo. Psico (Porto Alegre), 280–288.